HISTÓRICO


 

 

 

 

 


APRESENTAÇÃO

Concebido como ferramenta derivada da estratégia militar, desenvolvida na Segunda Guerra Mundial, o planejamento estratégico no contexto empresarial pressupõe um intenso conhecimento do organismo da empresa e das influencias por ele recebidas das mudanças do ambiente nos aspectos políticos, econômicos, sociais e tecnológicos, visando mantê-la sempre em condições de competição com a concorrência.

 É fundamental para a própria sobrevivência da empresa que o planejamento estratégico seja executado de uma forma lógica e estudada. A empresa deve ter uma visão clara, coerente e instigante das suas metas e objetivos, não apenas em função do mercado e do produto, mas também em função do aspecto financeiro. A ausência destas metas e objetivos fará com que a empresa fique a deriva e, conseqüentemente, não tenha sucesso.

“O qualifivativo “estratégico” vem de uma palavra grega, estratégos, que significa “general” e tem portanto, uma conotação militar. O verbo estrategein significa  elaborar um plano, com referência ao exército. A linguagem científica tomou este vocábulo para aplica-lo à teoria dos jogos, aos modelos matemáticos e finalmente à organização”

PETER DRUCKER

voltar ao topo


TEORIA CLÁSSICA

 

Em 1916, surgia na França, espalhando-se rapidamente pela Europa, a chamada Teoria Clássica da Administração, no qual se caracterizava pela ênfase na estrutura que a organização deveria possuir para ser eficiente. Henri Fayol, o fundador desta teoria parte da proposição de funções administrativas, aparecendo o planejamento como uma delas. Para Fayol, planejamento é a tarefa de traçar as linhas gerais das coisas que devem ser feitas e dos métodos de fazê-las, a fim de atingir os objetivos da empresa.

 voltar ao topo


TEORIA NEOCLÁSSICA

 

Esta teoria caracteriza-se por uma ênfase nos aspectos práticos da administração, pelo pragmatismo e pela busca de resultados concretos e palpáveis. Os autores desenvolvem seus conceitos de forma prática e utilizável, visando principalmente à ação administrativa. É em função dos objetivos e resultados que a organização deve ser dimensionada, estruturada e orientada. Partindo desta idéia, a teoria neoclássica da origem posteriormente a Administração por Objetivos (APO).

Para a Teoria Neoclássica, as funções do administrador correspondem basicamente em: planejamento, organização, direção e controle. Os neoclássicos definem planejamento como uma função que serve de base para as demais. As empresas não trabalham na base da improvisação, quase tudo nelas é planejado antecipadamente. Para eles, o planejamento estratégico é o mais amplo e abrange todo a organização, é projetado a longo prazo, envolve a empresa como uma totalidade e é definido pela cúpula da organização.

  voltar ao topo


ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS (APO)

 

A Administração por Objetivos ou Administração por resultados constitui um modelo administrativo bastante difundido e plenamente identificado com o espírito pragmático e democrático da Teoria Neoclássica. A APO surgiu na década de 50, através da publicação do livro de Peter F. Drucker, no qual caracteriza pela primeira vez  a Administração por Objetivos. A APO é uma técnica de direção de esforços por meio do planejamento e controle administrativo fundamentado no princípio de que, para atingir resultados, a organização precisa antes definir em que negócio está atuando e aonde pretende chegar. Inicialmente se estabelecem os objetivos anuais da empresa, formulados na base de um plano de objetivos a longo prazo. Escolhidos e fixados os objetivos organizacionais a serem alcançados, o próximo passo é saber como alcança-los, isto é, estabelecer a estratégia empresarial a ser utilizada para melhor alcançar aqueles objetivos.
O antigo conceito militar define estratégia como a aplicação de forças em larga escala contra algum inimigo. Em termos empresariais, a APO defini a estratégia como “a mobilização de todos os recursos da empresa no âmbito global visando a atingir objetivos a longo prazo.

 voltar ao topo


ESCOLAS DE ESTRATÉGIA

1) Escola da concepção

2) Escola do Planejamento

3) Escola do Posicionamento

4) Escola do Espírito Empreendedor

5) Escola cognitiva

6) Escola do Aprendizado

7) Escola do Poder

8) Escola da Cultura Empresarial

9) Escola do Ambiente

10) Escola da Configuração

 


1) Escola da concepção

Foi criada pelos autores Selznick (1957) e Andrews (1965). Eles se fundamentavam na linha de pensamento e com uma perspectiva planejada e única das estratégias. Na organização se caracteriza por um ambiente prático e de mudanças casuais. A liderança é dominadora e crítica, sendo o presidente da empresa a figura principal.

 

2) Escola do Planejamento

Baseada na escola anterior, ela iniciou em 1965 por Ansolf. Caracteriza-se por uma organização estruturada e subdividida, dando ênfase a seus planejadores. As suas estratégias são subdivididas, sendo formado programas de estratégias.

 

3) Escola do Posicionamento

Surgiu nos anos 70 e 80, por Schendel, Cooper, Hatten e Porter. Este escola era mais voltada para o conteúdo, a linha do pensamento nos mercados econômicos. As estratégias e suas posições são genéricas, centrando suas forças em suas vantagem competitivas.

 

4) Escola do Espírito Empreendedor

Escola baseada na visão e intuição, seus fundadores eram Shumpeter (1954) e Cole (1959) alem dos economistas da época.

 

5) Escola cognitiva

Baseada no espírito empreendedor, porem buscando ferramentas da psicologia cognitiva para penetrar na mente do estrategista.

 

6) Escola do Aprendizado

Caracterizado por um ambiente complicado, necessitando um aprendizado contínuo dando valor para as pessoas com capacidade de aprender.

7) Escola do Poder

Enfatizem as questões políticas e os processo de negociação dentro e fora da organização.

8) Escola da Cultura Empresarial

Criada nos fins dos anos 60 por Rhenman e Normann na Suécia, nos quais, julgam que a estratégia esta enraizada na cultura da empresa, visando a coletividade e a cooperação na organização.

9) Escola do ambiente

Aparece também no final dos anos 60, propondo que os processos de criação de estratégias fossem baseados na reação da empresa com o contexto em que esta inserida, e não ao que ela é de fato.

10) Escola da configuração

Utilização de vários conceitos e estruturas integrando-os em função do ciclo de vida da organização, baseado-se em etapas.

 

 voltar ao topo

 


SUGESTÃO DE SITES - LINKS

 

http://www.strategia.com.br/

http://www.admbr.cjb.net

 

voltar ao topo


ELABORAÇÃO: Ricardo F. Senff                TURMA: 135